Oaxaca

Oaxaca foi fundada em 1486 por um destacamento de soldados astecas que Ahuitzotl, imperador do México ordenou que fossem colocados nas margens do Atoyac para monitorar a conduta de Cosijoeza Rey de Zaachila, que derrubou uma parte da floresta de guaje que existia naquele lugar e eles construíram suas casas. Foi desenhado em 13 de julho de 1529 por Juan Peláez de Berrio, tenente do capitão geral e primeiro prefeito. Villa foi declarada por mandato real em 14 de setembro de 1526. Posteriormente, obteve o título de Cidade por carteira de identidade datada de 25 de abril de 1532, emitida pelo imperador Carlos V.

Oaxaca foi fundada em 1486 por um destacamento de soldados astecas que Ahuitzotl, imperador do México ordenou que fossem colocados nas margens do Atoyac para monitorar a conduta de Cosijoeza Rey de Zaachila, que derrubou uma parte da floresta de guaje que existia naquele lugar e eles construíram suas casas.

Foi desenhado em 13 de julho de 1529 por Juan Peláez de Berrio, tenente do capitão geral e primeiro prefeito. Villa foi declarada por mandato real em 14 de setembro de 1526. Posteriormente, obteve o título de Cidade por carteira de identidade datada de 25 de abril de 1532, emitida pelo imperador Carlos V.

O decreto número 4, de 10 de outubro de 1872, deu a ele o nome "Oaxaca de Juárez", em memória do grande patrício Benemérito das Américas, licenciado Benito Juárez.

A cidade de Oaxaca é construída no sopé da Sierra Madre, nas encostas do Cerro Del Fortín e se estende até as margens do rio Atoyac.

O bilhete de identidade real de sua escolha foi assinado pelo imperador Carlos V em Medina del Campo, em 25 de abril de 1532, recebendo o nome de Guajaca, que era então Villa de Antequera.

Os colonos primitivos chamavam Huaxyacac, quando os espanhóis chegaram, chamaram Guajaca, por encontrá-lo ao lado de uma floresta de guajes; Então Hernán Cortés ordenou o nome de Segura de la Frontera; os primeiros espanhóis que residiam no local o nomearam Tepeaca e depois Antequera; depois continuou a ser chamado de Guajaca.

Essas variantes, sem dúvida, obedecem primeiro à direita da Conquista e depois às disputas que existiam entre seus vizinhos e o marquês del Valle que foi chamado seu proprietário, até que com este último permaneceu propriedade do rei da Espanha, mas foi totalmente ignorado. pelos povos indígenas que pertenciam ao conquistador.

No município, é tradicional nos feriados consumir a toupeira preta, vermelha, amarela, verde, vermelha e chichilo. O bife, as tortilhas e tortilhas de milho dourado ou branco, tlayuda com assento, caldo de gato, o entomatado, quesadilla de elotes, garnachas, tamales envoltos em folhas de bananeira e as chapelinas assadas. carne assada típica de Oaxaca Dulces Nieve com leite e sabores queimados, nenguanitos, tortilhas de coco, mamão com sorvete, pinola, bolinhos, marquesote, pão de gema e grão de bico em panela doce. Bebidas Arroz con leche, tejate (bebida gelada feita de mamey assado, milho rachado, cacau e uma flor chamada floresita ou rosita de cacau, águas frescas de chilacayota, zapote, horchata, pera espinhosa, guanabana, ameixa, melancia, abacaxi , melão, chicozapote, tepache, aguardente, mezcal, sabores de polpa, chocolate Oaxacan com água ou leite, atole de chocolate, tepache, champurrado, atole de chile, atole branco e atole de panela.

galeria